Pesquisa mostra impactos da pandemia para os microempreendedores das favelas

Uma pesquisa realizada pelo Programa de Pós-Graduação em Política Social (PPGPS) da Ufes, em parceria com o Instituto Locomotiva, analisou a situação do microempreendedor da favela no contexto de pandemia no ano de 2020, em relação a aspectos econômicos, sociais e emocionais. Intitulado Empreendedorismo nas favelas brasileiras, o estudo mostrou que os negócios estavam em crescimento até o início das medidas de isolamento social e tiveram queda para 83% dos participantes, além de identificar uma piora da saúde mental daqueles empresários.

Das 721 pessoas entrevistadas em 18 cidades das cinco regiões do país (inclusive no Espírito Santo), 47,9% apontaram que seu empreendimento estava crescendo antes da covid-19. Dentre os que tiveram redução no faturamento, metade ficou de porta fechada por três meses ou mais e 8% ainda estavam fechados no momento da pesquisa, realizada em setembro e outubro de 2020. 

Alguns empecilhos atrapalharam a adaptação para o mundo on-line vivenciado no cenário da pandemia. Segundo a professora Maria Lucia Garcia, do PPPGPS-Ufes, sete em cada dez entrevistados só possuem acesso à internet por meio de um plano pré-pago, no smartphone. “Antes da pandemia, 34% já trabalhavam de maneira on-line, e apenas 23% conseguiram adaptar o seu negócio nesse contexto”, revela a professora, que coordena o Grupo de Estudos Primeira Infância e Desenvolvimento da Ufes.

O estudo indicou, ainda, que 77% não possuem registro de seu negócio, seja por meio de Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) ou registro na prefeitura. Em relação ao auxílio emergencial do governo federal, 58% o solicitaram, sendo que uma parte expressiva recebeu todas as parcelas e as usou para o pagamento de contas de sua família. A grande maioria trabalha por conta própria, e apenas 15% têm funcionários.

Conheça as pesquisas da Ufes relacionadas com a pandemia de covid-19

Saúde mental

A análise também mostrou o impacto da pandemia na saúde mental dos entrevistados. Os principais problemas de saúde mental relatados foram ansiedade (que atinge 32%), medo de ficar doente (24%), tristeza (19%), medo de morrer (16%), dificuldade para dormir (16%), preocupação (10%) e pensamentos ruins (10%).

Foi registrado um aumento dessas situações em relação ao período pré-covid, principalmente do medo de ficar doente (crescimento de 15 pontos percentuais), tristeza, ansiedade e medo de morrer, que aumentaram 12 pontos percentuais cada. Além disso, 48 pessoas apontavam probabilidade de depressão. Dentre elas, a predominância é de mulheres negras com filhos em idade escolar.

A maioria dos que apresentaram sintomas de adoecimento mental procurou assistência na família e nos amigos. Somente um em cada quatro dos que manifestaram doenças mentais buscou apoio profissional e, destes, 40% não retornaram após a primeira consulta. 

Leia também: Cobertura do auxílio emergencial fica aquém do número de necessitados em microrregiões capixabas

Continuação do estudo

A ideia dos pesquisadores é repetir essa pesquisa após um ano, para recolher informações acerca da evolução dos aspectos postos em questão. No total, foram ouvidas 382 mulheres, 337 homens e duas pessoas de outros gêneros. No Espírito Santo, foram entrevistadas 51 pessoas.

A análise dos dados está sendo feita em parceria com as universidades de Keele e de Coventry, na Inglaterra. O estudo é parte do Programa Institucional de Internacionalização da Ufes (PrInt-Ufes) e conta com financiamento da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes).

 

Texto: Breno Alexandre (bolsista de Comunicação)
Imagem: Território do Bem - Labtar/Ufes
Edição: Lidia Neves

 

Categoria: 
Destaque
Objetivos de Desenvolvimento Sustentável
Essa é uma ação da Ufes relacionada ao Objetivo do Desenvolvimento Sustentável 3 da Organização das Nações Unidas. Clique e veja outras ações.
QRCODE e link que direciona para o cadastro da UFES no sistema e-Mec
Acesso à informação
Transparência Pública
Planejamento e Gerenciamento de Contratações (PGC)
Dados abertos
Prestação de contas

Av. Fernando Ferrari, 514, Goiabeiras | Vitória - ES - CEP 29075-910 | © Universidade Federal do Espírito Santo 2013. Todos os direitos reservados.